Gerdau avança além do aço com diretoria para novos negócios

Grupo cria a GERDAU NEXT, que terá a missão de acelerar projetos que deverão gerar 20% da receita até 2030

De 2014 a 2018, a Gerdau fez um amplo movimento de revisão de seus ativos, em busca de maior rentabilidade de cada negócio, e o desfecho foi a venda de operações em vários países, centrando sua atuação nas Américas. No ano passado, a empresa debruçou-se sobre o seu futuro ao longo da próxima década. O estudo apontou que, diante das mudanças em curso no mercado global, a Gerdau não deve ser só uma produtora de commodities. A nova direção é ser cada vez mais provedora de serviços e produtos de alto valor agregado. Um passo dessa estratégia de longo prazo do grupo é a criação da Gerdau Next, que será seu braço de novos negócios. O objetivo dessa divisão será desenvolver novos produtos e negócios adjacentes à produção de aço, que continua sendo o carro chefe.

A estratégia, tem destacado Gustavo Werneck, presidente da Gerdau, passa pela inovação disruptiva na cadeia de valor do aço. Com o projeto, chamado Futuro Gerdau, definiu-se a meta de chegar a 2030 com 20% da receita do grupo proveniente de negócios que não a venda, propriamente dita, de aço. É o desafio da primeira gestão não familiar dos Gerdau, que ficaram à frente da companhia até 2018 – o grupo completará 120 anos de fundação em 2021.

Os investimentos, até 2030, para a Gerdau Next ganhar musculatura, estão previstos em US$ 1 bilhão, informa a Gerdau. Cinco eixos vão balizar esses aportes – novos modelos de interação com fornecedores e clientes, via tecnologias digitais; novos materiais, como o grafeno; e o futuro da construção, o da indústria e o da mobilidade. “Com a Gerdau Next, vamos expandir e acelerar os novos negócios que têm sido criados pela Gerdau nos últimos anos para que, em um futuro breve, possamos atingir nosso objetivo de termos 20% das receitas da Gerdau provenientes de novos negócios relacionados à cadeia do aço e adjacentes”, disse Werneck, que assumiu o cargo em janeiro de 2019, em nota.

O trabalho considerou o mercado brasileiro e outros globais de relevância para a indústria do aço, como China e EUA. No processo, foram avaliados os ativos atuais da empresa, as tendências dos setores em que está inserida e visões de como poderá ser a Gerdau no futuro. A Global Next vai ser o guarda-chuva de todos os negócios novos e responsável pela ampliação dos já existentes. Na estrutura organizacional, vai funcionar como vicepresidência de Novo Negócios, vinculada a Werneck. Para essa missão, o grupo recrutou Juliano Prado.

O executivo tem passagens por companhias como Shell, Raízen e Cosan. Formado em engenharia de produção na Universidade Federal do Rio de Janeiro, com MBA pela Coppead, Prado tem ainda complementação acadêmica em negócios na London Business School, no MIT (universidade americana) e no IMD (instituição suíça). Na Raízen, o executivo comandou operações da Raízen Energia. Na Cosan, foi diretor executivo.

Atualmente, no escopo de novos negócios, a Gerdau já tem em operação a G2Base, a G2L, uma participação acionária na Junto Somos Mais e o desenvolvimento da tecnologia de produção do grafeno (oriundo do mineral grafite) em parceria com a universidade inglesa de Manchester.

A G2Base tem atuação em fundações de obras de edifícios diversos – é um passo além da venda do aço à construtora. A G2L é uma provedora de logística digital, para clientes e parceiros. A Juntos Somos Mais é um programa de fidelidade e canal de venda de materiais de construção online, em parceria com Votorantim Cimentos e Tigre e que reúne dezenas de empresas fabricantes. De suas vendas totais de aço, 11% já é por esse sistema.

O grafeno está sendo desenvolvido para ser uma alternativa futura de material que permite criar uma camada anticorrosiva para o aço em meios agressivos. Vale tanto para chapas usadas na carroceria de automóveis quanto nos vergalhões usados na construção civil e obras de infraestrutura. Outro projeto em desenvolvimento, que ficará na Gerdau Next, é a tecnologia de Manufatura Aditiva: impressão de produtos, peças e componentes industriais em 3D.

Hoje, a Gerdau tem quatro unidades de negócios – Brasil, América do Sul, América do Norte e Aços Especiais. Obteve receita líquida de R$ 39,65 bilhões no ano passado – quase 40% a partir do Brasil, sem incluir aços especiais.

 

Via: https://valor.globo.com/empresas/noticia/2020/07/20/gerdau-avanca-alem-do-aco-com-diretoria-para-novos-negocios.ghtml

Compartilhe:
Translate »